Página principal



Microsoft Word pag 01-03. docx

Descargar 1.43 Mb.
Ver original pdf

Microsoft Word pag 01-03. docx





Descargar 1.43 Mb.
Ver original pdf
Página55/85
Fecha de conversión05.10.2018
Tamaño1.43 Mb.
1   ...   51   52   53   54   55   56   57   58   ...   85

Freitas, K. R. T. de et al. 

Rev. de Economia Agrícola, São Paulo, v. 61, n. 2, p. 53-75, jul.-dez. 2014

 

58

cabeças (T

APIAS

, 2012). 

 

Além disso, a Argentina vem perdendo es-

paço nas exportações da carne bovina. Antes de 

2005, o país era o terceiro principal exportador de 

carne bovina, e de 2005 a 2012 passou a ocupar ape-

nas a décima posição (A

BIEC

, 2013). Conforme o Mi-

nistério de Economia e Produção da Argentina, em 

2007, o governo argentino estabeleceu um valor má-

ximo para o comércio da carne bovina – tal preço era 

uma espécie de congelamento de preço, igualando 

ao preço do ano anterior - além das restrições para 

exportação que o governo impôs. Esta medida não 

foi favorável para o mercado argentino, pois os pro-

dutores reduziram o número de abates devido à 

baixa taxa de lucro. Com isso, houve queda no nú-

mero de abates, proporcionando um decréscimo na 

oferta da carne; por este motivo, pode-se dizer que 

os argentinos consumiram menos (S

COT 

C

ONSULTO-

RIA

, 2013). Contudo, em 2012, a Argentina possuía a 

carne bovina mais cara do comércio internacional, 

devido à sua alta qualidade, e grande procura dos 

principais países europeus (P

ALAU

, 2014). 

 

Ainda conforme Palau (2014), o decrescimen-

to das exportações da Argentina deve-se ao ambien-

te institucional, que se deu por vários fatores, como a 

gestão discricionária das exportações, atraso cam-

biário, alta nos custos da indústria frigorífica, dentre 

outros. Além disso, esses fatores aconteceram para-

lelamente ao aumento do abate de fêmeas e dimi-

nuição do rebanho bovino argentino. 

 

 

3 - METODOLOGIA 

 

3.1 - Fonte de Dados 

 

 

O estudo avalia o comportamento das expor-

tações de Brasil e Argentina no período 2006-2013. 

Segundo Carvalho (1995), como a estrutura de ex-

portações de um país pode sofrer mudanças no de-

correr do período analisado, a divisão em períodos 

mais curtos permite identificar com melhor precisão 

as mudanças que ocorreram durante o período. Com 

esse intuito, o período foi dividido em dois grupos 

de quatro anos: 2006-2009 e 2010-2013. Neste traba-

lho, utilizou-se apenas carne bovina in natura, pois 

representa aproximadamente 80% das exportações 

mundiais. Primeiramente, foram selecionados dois 

países importantes nas exportações de carne bovina 

in natura no ano de 2013 sendo, respectivamente, 

Brasil e Argentina. 

 

Como destino das exportações, foram atribuí-

dos os dez principais países importadores de carne 

bovina in natura do Brasil e também os dez principais 

importadores da Argentina, justificado pela grande 

representatividade no total das exportações do país. 

 

Os dados foram coletados a partir do banco 

de dados UNComtrade, das Nações Unidas, sendo 

identificados pelos seguintes códigos N

CM

: 0201 

(carne resfriada) e 0202 (carne congelada). Todos os 

dados coletados são referentes a valores monetários 

de importações e exportações, sempre expressos em 

dólar americano (US$). 

 

 

3.2 - O Modelo Constant Market Share 

 

 

O Modelo Constant Market Share (C

MS

) per-

tence à classe dos modelos diferencial-estrutural, 

sendo utilizado neste estudo para decompor a taxa 

de crescimento das exportações da carne bovina do 

Brasil e da Argentina. Com a análise do crescimento 

potencial, pode-se observar o valor que as expor-

tações brasileiras e argentinas teriam que alcançar de 

forma a manter constante sua participação nas ex-

portações mundiais (C

ANUTO

; X

AVIER

, 1999). 

 

Segundo Machado et al. (2006), o modelo C

MS

 

permite determinar os fatores que influenciam o de-

sempenho das exportações e competitividade de um 

país. Os principais concorrentes identificados, no ano 

de 2013, foram Estados Unidos, Austrália e Índia. 

 

O modelo C

MS

 tem sido amplamente utiliza-

do para determinação de fatores que contribuíram 

para o desempenho das exportações de um determi-

nado produto, para um país ou bloco econômico, em 

certo período, aponta (G

RAMS

 et al., 2013). Trabalhos 

baseados no modelo C

MS

 têm por objetivo analisar a 

participação de um país ou bloco econômico no flu-


1   ...   51   52   53   54   55   56   57   58   ...   85

Similar:

Microsoft Word pag 01-03. docx iconMicrosoft Word manualtecnico dic docx. (2). docx
Definiciones importantes
Microsoft Word pag 01-03. docx iconMicrosoft Word Youth Consent Form sp fin docx doc docx
Ciudad Estado Código postal
Microsoft Word pag 01-03. docx iconMicrosoft Word Ley Nº 121 t c. pág web col def art. 50 y 79. doc

Microsoft Word pag 01-03. docx iconMicrosoft Word Formulario docx

Microsoft Word pag 01-03. docx iconMicrosoft Word conceptosbasicosdeTrigonometria docx

Microsoft Word pag 01-03. docx iconMicrosoft Word Gaceta8036. docx

Microsoft Word pag 01-03. docx iconMicrosoft Word wv1 Newsletter 9-14-17-sp docx

Microsoft Word pag 01-03. docx iconMicrosoft Word cartilla de usuario docx

Microsoft Word pag 01-03. docx iconMicrosoft Word boletin -gilberto docx

Microsoft Word pag 01-03. docx iconMicrosoft Word samig18 history docx



Descargar 1.43 Mb.
Ver original pdf